Este blog mudou de endereço e agora está em http://tertuliabenfiquista.blogs.sapo.pt.

segunda-feira, setembro 03, 2007
De regresso *
Apesar de ter estado "ausente" da Tertúlia nas últimas semanas (não só porque estive de férias mas também porque no período que as antecedeu não tive grande disponibilidade), não deixei de estar atendo ao meu Benfica (e sempre que pude também vim "espreitar" os posts e respectivos comentários aqui da Tertúlia), mesmo não podendo acompanhar algumas das transmissões televisivas dos jogos (e menos ainda ir ao estádio). Vi um Benfica completamente desgarrado a ganhar ao Copenhaga graças as dois momentos de inspiração de Rui Costa, ouvi um Benfica com grandes dificuldades perante o recém promovido Leixões e a deixar escapar a vitória por entre os dedos, senti um Benfica entregue ao destino, com jogadores a jogarem na espectativa de que a bola entrasse como que por milagre na baliza adversária e que o Quim (que apesar das suas limitações, está a ter um excelente início de época) fosse suficiente para impedir que os adversários marcassem. Em suma, um Benfica à imagem do seu treinador (até ao jogo com o Leixões), entregue à (má) sorte, a lamentar-se depois do azar, preso por espartilhos tácticos mas desprovido do essencial: a vontade de jogar à bola, pelo "simples" prazer que isso proporciona, e uma verdadeira ambição de vencer, em cada instante do jogo. O Benfica era um conjunto de jogadores, não uma equipa. E quando assim acontece, todos os jogadores parecem fracos, pois muitas vezes pareciam não saber muito bem o que fazer em campo.

Seguiu-se a dispensa do Fernando Santos, o que foi para mim meia surpresa. Por um lado, LFV garantia que o treinador não estava em causa (se bem que saibamos que o valor da palavra do LFV seja relativo...). Por outro lado, e perante este fraco início de época, com uma equipa completamente apática, fruto de uma pré-época mal preparada (o problema é que nem se tratava de as coisas correrem mal, apesar de os jogadores tentarem: a verdade é que os jogadores pareciam nem ser capazes de tentar, pois pareciam presos à relva...). Se a dispensa de FS foi um erro, só se foi por um motivo: ter sido contratado, há pouco mais de um ano atrás. De resto, estava a tornar-se insuportável ver a equipa a ter um início de época idêntico ao do ano passado. Embora a saída de jogadores importantes pudesse explicar alguns problemas, não explicava o problema de os jogadores praticamente não se mexerem em campo, ainda que muitos deles fossem novos na equipa.

Para mim a contratação de Camacho, para substituir FS, foi uma escolha acertada, dentro das disponibilidades (continuo a preferir o Eriksson...), essencialmente porque já conhece o Benfica e já interiorizou bem, nos anos que cá esteve, que o Benfica é um clube vencedor, que seja qual for o adversário, entra para vencer (o que não significa necessariamente, como é óbvio, jogar desenfreadamente ao ataque), que não se contenta com 2ºs lugares. E para além disso, consegue incutir aos jogadores esse espírito. Pode não ser um prodígio da táctica, pode não debitar teorias a esse respeito como o Luís Freitas Lobo, mas mais importante que jogar em 4-3-3, 4-4-2, 4-2-3-1, em losango ou em "pirilau", é a atitude dos jogadores, os princípios básicos como procurar recuperar a bola quando se está a defender, e quando é necessário marcar um golo, é necessário chegar à área adversária, e para isso é necessário que os jogadores se movimentem. É isso que já se vai vendo com Camacho e que não se via com FS. Contra o Guimarães já deu para sentir um pouco essa mudança de atitude, com o Copenhaga, apesar do sofrimento inicial (também por mérito dos dinamarqueses e da sua envergadura física), também já foi possível ver o Benfica a jogar com mais personalidade (sobretudo na 2ª parte) e ontem, contra o Nacional, e ainda que o Benfica tenha permitido alguma reacção do adversário após o 0-1, o resultado final demonstra inequivocamente a superioridade do Benfica. Outra coisa importante é que Camacho não tem problemas em apostar nos jovens. Assim foi com Miguel Vítor (embora não houvesse outra alternativa) e Romeu Ribeiro. Não fica à espera que os jogadores tenham provas dadas (o que é difícil, quando entram a 2 minutos do fim do jogo ou ficam a ver o jogo todo do banco...) para lhes confiar responsabilidades. Arrisco-me ainda a dizer que se a contratação do Camacho tivesse sido feita antes do 1º jogo com o Copenhaga, talvez o Manuel Fernandes não tivesse saído...

No entanto, não nos deixemos iludir. Não basta ter Camacho como treinador para que os principais problemas fiquem resolvidos. A gestão do futebol do Benfica tem sido praticamente desprovida de estratégia de há muitos anos a esta parte. Tem-se resumido, essencialmente, à gestão de contratações e dispensas, mas do ponto de vista desportivo, tem dependido em demasia dos treinadores. E a prova é que o Benfica contratou Fernando Santos, que não vejo onde possa encaixar com qualquer estratégia desportiva condigna do Benfica. E por outro lado, este 'corropio' de contratações e dispensas também não é tolerável num clube que se pretende grande. Por muito bons que sejam, uma equipa não se forma de um dia para o outro. É preciso que o Benfica tenha uma estrutura directiva capaz de capitalizar as mais-valias trazidas pelos seus treinadores e de gerir as entradas e saídas de jogadores numa perspectiva de evolução e não de revolução. Tal figura não pode ser o LFV, como já demonstrou, nem ex-empresários de jogadores, menos ainda se os seus objectivos pessoais não incluirem, primordialmente, o sucesso do Benfica. Espero, portanto, que o Benfica não cometa os mesmos erros do passado recente e saiba tirar partido ao máximo do trabalho de Camacho, mesmo na eventualidade de ele, mais cedo ou mais tarde, sair do Benfica. E para tal, é necessário criar as condições para que isso aconteça.

* Muito mais importante do que o facto de eu estar de regresso de férias e ao blog, é o facto de o Benfica parecer estar de regresso às vitórias, assim como a competitividade do futebol praticado.

PS: Queria também assinalar o facto de, durante este período, os nossos atletas Nélson Évora e Vanessa Fernandes se terem sagrado campeões do mundo no triplo salto e triatlo, respectivamente. Parabéns, Nélson e Vanessa!
 
por tma - 12:55 | link |


1 comentário(s):


Data do comentário: 03/09/2007, 16:56:00, Blogger Pedro F.F.

TMA, meu caro, saudo o teu regresso e permite-me que te diga que não consegui evitar uma gargalhada quando li a tua menção à táctica do "pirilau".